Caso Jomara: comerciante é condenado a 22 anos pelo assassinato da ex-esposa em Juiz de Fora

23 maio 2022
Fique por dentro de todas as notícias pelo nosso grupo do WhatsApp!

Marcos Pereira deve cumprir pena por homicídio triplamente qualificado em regime fechado. Crime ocorreu em 2009; julgamento de 2015 chegou a ser anulado. Comerciante é condenado a mais de 20 anos por assassinato da ex-esposa em Juiz de Fora

O comerciante Marcos André Cavanellas Pereira foi condenado a 22 anos de reclusão pelo assassinato da ex-esposa, Jomara Rodrigues Amaral, em 2009. A decisão foi tomada após quase dez horas de julgamento no Fórum Benjamim Colucci, em Juiz de Fora, nesta terça-feira (17).

O juiz determinou que o réu deve cumprir a pena em regime fechado. Ele foi condenado por homicídio triplamente qualificado, por motivo torpe, com crueldade e sem chance de defesa da vítima. O juiz, negou o direito de Marcos recorrer em liberdade. Conforme apurado pelo G1, atualmente, ele estava morando em Uberlândia, no Triângulo Mineiro.

Segundo a irmã de Jomara, Denise do Amaral, o sentimento agora é de justiça. "O que mais me mata de vergonha é dizer que ele está solto e que nada aconteceu. Lugar de assassino é na cadeia", diz.

Para o advogado de acusação, Nelson Rezende Júnior, não havia como a decisão ser diferente. "A prova está clara, aparece evidente, não se discute e é clara", ressalta.

Marcos André Cavanellas foi condenado a 22 anos de reclusão pela morte da ex-esposa em Juiz de Fora

Vagner Tolendato/G1

Segunda condenação

Essa é a segunda condenação do réu depois que o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) decidiu anular o primeiro júri, realizado em 2015 após quatro adiamentos. Na época, o comerciante foi condenado a dez anos de prisão.

De acordo com a assessoria de imprensa do TJMG, os desembargadores 1ª Câmara Criminal concordaram com os argumentos do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) de que o júri decidiu de forma contrária às provas dos autos.

Marcos André Cavanellas chegou a ser condenado a 10 anos de prisão em 2015, mas júri foi anulado

Reprodução/TV Integração

Na sessão de hoje, cinco testemunhas de acusação foram ouvidas. A irmã de Jomara, Denise Amaral, contou que sofreu uma tentativa de estupro do acusado, quando a Jomara estava grávida da segunda filha.

A defensora pública Criscel Barros da Costa Oliveira foi a responsável por realizar a defesa de Marcos André Cavanellas Pereira.

A acusação estava ao cargo do promotor Juvenal Martins Folly, que apresentou o recurso solicitando a anulação do primeiro julgamento.

Mulheres fazem ato contra feminicídio na porta do Fórum Benjamin Colucci antes do julgamento

Vagner Tolendato/G1

Morta na frente das filhas

O homicídio ocorreu no dia 29 de dezembro de 2009, na Rua Olegário Maciel. De acordo com a Polícia Militar (PM), a vendedora foi esfaqueada quando chegava em casa, na frente das filhas, que na época tinham sete e dez anos.

Jomara chegou a ser socorrida no Hospital de Pronto Socorro (HPS), mas não resistiu aos ferimentos.

O motivo do crime, segundo a polícia, seria o fato de o comerciante não ter aceitar o pedido de separação apresentado por Jomara meses antes.

Jomara e o ex-marido, que foi condenadop a 22 anos de prisão em regime fechado

Reprodução/ TV Integração

O acusado, que na época do assassinato tinha 40 anos, fugiu e se apresentou à Polícia Civil em 4 de janeiro de 2010, prestou depoimento e não foi preso porque havia passado o prazo do flagrante.

Ao longo do andamento do processo, o comerciante não esteve preso em qualquer unidade do sistema prisional, de acordo com a assessoria da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds).

Como o caso ocorreu em 2009, não pode ser julgado pela lei do feminicídio, que é de 2015.


FONTE: G1 Globo

FIQUE CONECTADO