Adidas anuncia que fará próxima venda de estoque de tênis em parceria com Kanye West em agosto

28 jul 2023
Fique por dentro de todas as notícias pelo nosso grupo do WhatsApp!

Empresa começou a vender produtos Yeezy em maio, meses após romper parceria com rapper por seus comentários antissemitas. Kanye West

Reuters/via BBC

A Adidas venderá mais de seu estoque de produtos Yeezy em agosto, disse a empresa nesta sexta-feira (28), reiterando a promessa de doar parte dos lucros a grupos que lutam contra a discriminação, sem mencionar o quanto doaria.

A Adidas parou de vender os tênis Yeezy e abandonou a colaboração com seu designer, o rapper Ye, antes conhecido como Kanye West, no final do ano passado, depois que o artista fez uma série de discursos antissemitas em entrevistas e nas redes sociais.

Mas, à medida que seu grande estoque de tênis Yeezy pesava sobre o negócio, a Adidas começou a vender os calçados altamente lucrativos novamente no final de maio, e sua popularidade duradoura, apesar da queda de Ye, ajudou a reduzir o prejuízo projetado da empresa para o ano.

"Como comunicado anteriormente, a Adidas doará uma quantia significativa para organizações selecionadas que trabalham para combater a discriminação e o ódio, incluindo racismo e antissemitismo", disse a Adidas em comunicado.

Embora os discursos antissemitas tenham custado a Ye seu agente de talentos e parcerias com a Gap, Balenciaga e também com a Adidas, os tênis Yeezy continuam sendo procurados e são vendidos a preços altos em sites de revenda.

A Adidas afirmou que o lançamento de agosto incluirá alguns dos designs mais populares, incluindo o Yeezy Boost 350 V2, 500 e 700, bem como o Yeezy Slide e Foam Runner.

A Adidas já vendeu 100 milhões de euros (cerca de R$ 521 milhões) em estoque de seus tênis Yeezy até o momento, de acordo com analistas do Deutsche Bank, e eles afirmaram que o risco de uma baixa contábil do estoque agora é "remoto".

Par de tênis Yeezy em loja de Nova York, em imagem do dia 25 de outubro de 2022

Shannon Stapleton/Reuters/Arquivo


FONTE: G1 Globo


VEJA TAMBÉM